COMUNICAÇÃO / NOTÍCIAS


16/05/2019 - 15:24

Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação

Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação Bancários caxienses participam do Dia Nacional de Greve Pela Educação


Milhões de jovens, estudantes, professores e funcionários de escolas públicas de todo o país foram às ruas, nesta quarta-feira, 15, para exigir o fim do corte de verbas da educação anunciado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Assim como em outras dezenas cidades brasileiras, Caxias do Sul também teve manifestação ao longo de todo o dia, na Praça Dante Alighieri. O Sindicato dos Bancários de Caxias do Sul e Região esteve presente, reforçando a manifestação e colhendo assinaturas contra a Reforma da Previdência. Dois atos foram realizados na cidade, um pela manhã, com estudantes de escolas estaduais e que culminou em uma caminhada até a 4ª Coordenadoria Regional de Educação; e no final da tarde, com uma expressiva participação de estudantes do Instituto Federal, Universidade Estadual do Rio Grande do SUL (UERGS), escolas estaduais, professores e trabalhadores dos mais diversos ramos da economia local.

O coordenador da secretaria de Organização e Política Sindical, Nelso Bebber, disse que a luta dos estudantes e professores é uma luta comum a todas e todos que desejam um futuro para o país. “A luta por uma educação pública e de qualidade é uma pauta dos trabalhadores. Os cortes que o governo anuncia à universidades federais e aos institutos de educação fatalmente atingirá a classe trabalhadora. Se não tem verba e a universidade fecha, restará pagar o estudo em uma instituição privada. A educação não pode ser uma mercadoria. Educação não é gasto para um gestor público, mas investimento que se reverte em desenvolvimento intelectual, tecnológico e científico”, observou Bebber.

Esquenta para a Greve Geral

A paralisação dos trabalhadores da educação é um esquenta para a Greve Geral, que acontecerá no dia 14 de junho, contra a proposta de Reforma da Previdência, que decretará o fim da aposentadoria.

Fotos: Daniela Amoretti Finkler